terça-feira, 28 de maio de 2013

Quando leres isto lembra-te de escutar YOU ARE THERE da Stacey Kent; era uma daquelas noites de sábado. Havia desejo, motivo e oportunidade. Fomos. Já fizeste amor ao lado de alguém? Sem culpa, passado ou julgamento? Ali ao lado. Pele com pele…carne e desejo? Mas queres, sinto-o. Ambos sentimos. E fomos. Estivemos. Foi bom. Havia um café à mesa, sorrisos, cumplicidade envergonhada e as horas que voavam. Havia um club de morada incerta, sorrisos de atrapalhação, mas vontade. A noite fez-se madrugada e a visita com eles tornou-se íntima. Tão íntima. Elas sorrisos, olhos, empatia. Vejo-te daqui a ti, a ela. Tão sensuais. Tão elegantes. Eles um copo, outro, uma gargalhada cúmplice, feras de circo que se medem, mas unidos numa guerra que se quer vencida. Era afinal tão mais do que os planos que desenhas no papel das ideias vagas. E havia sedução eminente, corpos suados, cantos escuros, gente que quer, que olha e deseja, uma balada de cego que, ao longe, abafada competia com gemidos de cria e a carne morna. Foi tudo isto e num momento, o quarto. Primeiro nós…tu em mim, eu em ti. Rasgas-me a roupa, puxas, procuras pele. Fome um do outro, corpos, a tua mão em mim, eu em ti. Tão derradeiros. Depois a porta. Eles. O coração salta. Queres? Vamos? Nada. Entraram e nós ali, entregues, eu em ti, ainda. Tu em mim. Ela despida na cama, ele nela. Corpos. Depois nós. Massa de gente, braços, pernas, mãos…e explodiam mil partículas de desejo que deixámos entornar na cama. Proximidade. Elas. Toque, sedução, carícias…o coração a mil. A tua mão na pele dela, um beijo, lábios, dedos, calor…e eles em nós, nós neles. É tudo tão mais do que a cabeça concebe. Átomos de prazer, instável, poder avassalador. Gemidos meigos, uma mão de alguém, uma pele que descubro, cabelo solto, outro gemido, corpos quentes. E eles rendidos. Elas aos comandos. Partilha, proximidade. Sexo. A língua em ti. Tão quente. Ela o mesmo. Eles tão próximos. Aqui. Uma química sem fórmula em que 2 e 2 foram 1…álgebra das coisas que não se explicam. Se devoram depressa porque a vida é curta e sem sentido. Nós paixão, por eles. Foi tão arrebatadoramente bom! Achas que sábado será melhor?...amo-te tanto.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Take 0

Passada a fase de testes e experiências, inovações, avanços e recuos somos finalmente a anunciar o inicio oficial do elesjuntos.blogspot.pt. Aqui vamos nós...

Depois de ver e ler a experiência vivida entre os casal sexyrabbits e os cerejas, ficámos entusiasmados e passámos a noite com caricias entre conversas sobre como eventualmente seria connosco. Com a ajuda do casal sexyrabbits percebemos melhor este mundo e as possíveis variações do swing, a partir do qual desmantelámos muitas ideias pré-concebidas.

Ela começou a aquecer e a pedir para que Ele lhe relatasse um encontro imaginário com um outro casal. Até onde iríamos, o que gostaríamos? De acordo com o que tínhamos ficado a saber existe afinal o soft-swing; uma versão em que os casais se envolvem de forma aproximada e menos directa, ainda assim, muito excitante. No calor de toda esta imaginação Ela confessou que tem curiosidade e que gostaria de fazer sexo num espaço onde outros casais também. Olhar de soslaio para a troca de carícias entre outros, ouvi-los gemer e a excitação de todo esse ambiente trouxe a ideia de que passado o nervoso inicial tudo deve ser muito divertido e estimulante. Só com a conversa e imaginação, Ele e Ela começaram a aquecer. Ela humedece só de se imaginar com o frio na barriga de outra mulher lhe tocar e beijar e de quanto isso a excitaria. Ele, só de pensar na imagens delas juntas na troca de carícias começa a ficar duro e penetra-a. As palavras dos SexyRabbits e a imaginação a trabalhar deixaram que os corpos fizessem o resto. Houve calor e loucura suficientes para o orgasmo repetido vezes e vezes...

Foi muito divertido poder imaginar as fantasias descritas pelos SexyRabbits e os Cereja. Para quem começa neste mundo tudo isto tem uma mistura de alucinação, provocação e loucura. Pelo meio, o tesão enorme de ser mosca e ver como se sobrevive a um primeiro destes momentos. Deve ser a adrenalina pura entre desejo e receios. A química perfeita, o afrodisíaco derradeiro...