domingo, 20 de maio de 2012



Noite. Cheira a chuva na rua. Ontem um primeiro convite oficial de um casal acendeu como nunca o debate. Apetece aceitar na mesma medida em que tudo se move tão depressa, tão fora das nossas mãos talvez. Disseste não. Não já. Queres fazer bem, no teu vagar. Seduz-me ver-te negar o desejo. Que queres a aventura. Sabes que faremos amor e se formos nós seduziremos com o nosso fogo. Tens medo de nós ou de ti afinal? Tens terror de gostar, assumes...ah, tão bom ouvir-te assim. E fazes amor comigo enquanto a chuva nos pede furiosa no vidro para entrar, água fria no teu corpo quente...tão quente que me devolves a língua morna, de entre as coxas, vem-te...vem-te mil vezes para voltares ao inicio...

2 comentários:

  1. Nem sempre estamos no mesmo «comprimento de onda», por isso, é preciso conversar para ser possível este encontro. Conversar acerca de tudo, sem vergonhas nem assuntos proibidos.

    As coisas fazem-se com o seu ritmo próprio, sendo que o importante também passa pela vontade de outro, fazer o que se quer quando realmente se quer e não só para fazer «a vontade».

    Eu, ainda não tive vontade...

    Beijo sexy,
    Ana

    ResponderEliminar
  2. olá!!!
    é bom saber que por esse lado há muito fogo! :D
    beijos
    Os Cereja

    ResponderEliminar

Take 0

Passada a fase de testes e experiências, inovações, avanços e recuos somos finalmente a anunciar o inicio oficial do elesjuntos.blogspot.pt. Aqui vamos nós...

Depois de ver e ler a experiência vivida entre os casal sexyrabbits e os cerejas, ficámos entusiasmados e passámos a noite com caricias entre conversas sobre como eventualmente seria connosco. Com a ajuda do casal sexyrabbits percebemos melhor este mundo e as possíveis variações do swing, a partir do qual desmantelámos muitas ideias pré-concebidas.

Ela começou a aquecer e a pedir para que Ele lhe relatasse um encontro imaginário com um outro casal. Até onde iríamos, o que gostaríamos? De acordo com o que tínhamos ficado a saber existe afinal o soft-swing; uma versão em que os casais se envolvem de forma aproximada e menos directa, ainda assim, muito excitante. No calor de toda esta imaginação Ela confessou que tem curiosidade e que gostaria de fazer sexo num espaço onde outros casais também. Olhar de soslaio para a troca de carícias entre outros, ouvi-los gemer e a excitação de todo esse ambiente trouxe a ideia de que passado o nervoso inicial tudo deve ser muito divertido e estimulante. Só com a conversa e imaginação, Ele e Ela começaram a aquecer. Ela humedece só de se imaginar com o frio na barriga de outra mulher lhe tocar e beijar e de quanto isso a excitaria. Ele, só de pensar na imagens delas juntas na troca de carícias começa a ficar duro e penetra-a. As palavras dos SexyRabbits e a imaginação a trabalhar deixaram que os corpos fizessem o resto. Houve calor e loucura suficientes para o orgasmo repetido vezes e vezes...

Foi muito divertido poder imaginar as fantasias descritas pelos SexyRabbits e os Cereja. Para quem começa neste mundo tudo isto tem uma mistura de alucinação, provocação e loucura. Pelo meio, o tesão enorme de ser mosca e ver como se sobrevive a um primeiro destes momentos. Deve ser a adrenalina pura entre desejo e receios. A química perfeita, o afrodisíaco derradeiro...